Clique na imagem para saber mais...

29 de março de 2014

Vídeo de uma jovem torturada em SP vai parar na web

Uma adolescente de 15 anos, moradora de Suzano (SP), diz que foi torturada por seis horas e meia por uma jovem depois de ter sido acusada pela agressora de "talaricar" (paquerar alguém que é comprometido na gíria popular) o namorado dela. Além de ter sofrido agressões psicológicas, a vítima teve o cabelo cortado com uma tesoura e ainda levou vários socos no rosto. A agressão foi na última sexta-feira (21) em uma rua deserta perto da estação de trem, em Guaianazes. Os momentos de tortura foram registrados e divulgados no YouTube.


A mãe da vítima, que preferiu não se identificar, disse ao G1 nesta sexta-feira (28) que está revoltada com a covardia da agressora. Ela só descobriu a história ao ver o vídeo que começou a ser compartilhado nas redes sociais. "Não sabia do que tinha acontecido. Desconfiei quando minha filha chegou em casa com o cabelo cortado e que tinha coisa errada. Minha sensação ao saber de tudo foi de ódio. Tenho vontade de matá-la. Quero justiça e vou fazer de tudo para essa menina pagar."

Após ser agredida pela garota e mais dois amigos, a adolescente chegou em casa assustada, mas não comentou nada com ninguém, lembra a mãe. "Ela estava pálida e nervosa, mas disse que ela mesma tinha cortado o cabelo. Fiquei desconfiada e deixei. Quatro dias depois me avisaram do vídeo e quando vi fiquei louca."

A mãe disse que fez um boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher de Itaquera e que agora vai procurar o Conselho Tutelar de Suzano. A filha de 15 anos também passou por exame de corpo de delito. "A família toda está revoltada. É torturante ver esse vídeo. Minha filha não teve chance de defesa. Ela virou motivo de piada e ainda é ameaçada nas redes sociais por essa menina e as amigas. Quero que peguem essa covarde".

Agressão
Para atrair a vítima até o local da agressão, a jovem dmandou mensagem dizendo que precisava da ajuda da adolescente para desmascarar o namorado, que mentia sobre o fato de estar solteiro. "Confiei nela e fui para gente conversar e desmascará-lo", conta a vítima.

A vítima saiu de casa por volta das 16h sem dizer para a mãe onde ia. Ao chegar na estação de trem de Guainazes, em São Paulo, ela foi surpreendida pela agressora que a pegou pelo braço e a levou para uma rua deserta perto da estação. Outros dois amigos, uma menina e um menino, participaram dos momentos de tortura. "Só ela me batia. Os outros dois ficavam incentivando e filmavam. Eu já conhecia há algum tempo o namorado dela [agressora], mas quando ele voltou a namorar eu apaguei ele do Face. De uns dia para cá ele me procurou de novo, disse que eu estava bonita e que estava solteiro. Começamos a conversar."

Com ciúmes, a agressora teria visto as mensagens da vítima no celular do namorado e ficado enfurecida com a possível traição. "Eu não tinha noção do mostro que ela [agressora] era e nem que era tão covarde", diz. "Quando me prendeu ela só dizia que queria que eu falasse que eu não ia ficar com ele."

A vítima ainda diz que é ameçada pela agressora. "Depois que apanhei ela me obrigou a manter segredo. Se não fizesse isso disse que ia me matar. Até hoje, ela e as amigas ficam me mandando mensagem de ameças no celular e na internet. Falam que vão raspar todo o meu cabelo e me cortar." (veja vídeo). G1