25 de abril de 2015

A dor era tanta que ele deitou-se no chão

Hoje quero contar aos meus leitores uma breve história, mas que se torna longa para a família e entes queridos.

O seu Antonio, pessoa de índole ilibada, cumpridor do seu dever como membro da sociedade e como pai. Ele com seus mais de 70 anos ja apresentava alguns problemas de saúde, até por conta dos anos que carregava. A poucos dias numa noite qualquer ele começou a sentir fortes dores pelo corpo achando que era coisa simples, não comunicou ninguém da família, resolveu ir sozinho à UPA (Sarandi) da sua cidade. Chegando lá o seu Antonio fez os primeiros procedimentos e o mandaram sentar pra ser chamado. O tempo foi passando e as dores piorando a ponto de começar a gritar de dor... o tempo passava e nada do médico atender o seu Antonio e já não suportando tanta dor deitou-se no chão se contorcendo e gritando. Um funcionário dentro da unidade dizia: "Olha gente, que coisa! Está fazendo isso tudo pra chamar a atenção", enquanto segurava seu celular, juntamente com outros funcionários brincando nas redes sociais. Para encerrar essa nossa história, o seu Antonio faleceu e ninguém ficou sabendo do descaso.

Agora pensem nisso como se seu Antonio fosse seu pai? Se seu Antonio fosse seu filho, irmão?...

Fiquei tão sentido com esse relato, entre outros tantos que ainda publicarei, que não tenho mais palavras.

Todos que me acompanham sabe bem que não brinco com nada muito menos com saúde e tenho credibilidade o bastante pra afirmar que a pessoa que me relatou isso é de minha inteira confiança.

Tentarei uma reunião com Secretário de Saúde e vou relatar-lhe vários fatos, fatos esses que tenho certeza, o mesmo desconhece.

Nenhum comentário: