sc

SE VOCÊ ESTÁ VENDO ISSO, O SEU CLIENTE TAMBÉM VÊ... ANUNCIE AQUI!
iniciar        parar

30 de janeiro de 2016

Zika vírus pode ser capaz de infectar até quatro milhões de pessoas ainda este ano

Nesta semana, cientistas norte-americanos publicaram um apelo à Organização Mundial da Saúde (OMS), para que não deixe que se repita os erros cometidos no combate ao Ebola com o Zika vírus. O Ebola foi negligenciado por meses pela OMS antes de sair de controle e custar milhares de vidas. Eles ainda solicitaram à agência que convoque um comitê de emergência com especialistas em doenças para que comecem a lidar com a proliferação dos casos pela América e advertiram que uma possível vacina para o vírus pode levar até uma década para ser criada.

Segundo eles, hoje, o que se espera da OMS é que se criem medidas para lutar contra a propagação do vírus, criando laboratórios para testes e monitoramento, cuidados clínicos e de controle de vetores, nesse caso, matando os mosquitos (Aedes Aegypti) responsáveis por espalhar a infecção.

Segundo Marcos Espinal, diretor do departamento de doenças transmissíveis da Opas/OMS (Organização Pan-Americana de Saúde) o vírus pode se espalhar pelas Américas e já são esperados cerca de 3 a 4 milhões de casos, sendo 1,5 milhões só no Brasil. “O Zika irá onde o Aedes aegypti estiver”, disse. “A população das Américas nunca tinha sido exposta ao vírus, e por isso não tinha imunidade”, completou. Nesse caso, o especialista se refere a ideia de que provavelmente o vírus tenha chegado ao Brasil durante a época da Copa do Mundo sediada pelo país, que recebeu milhares de turistas.

A preocupação agora recai sobre outro grande evento esportivo que acontecerá aqui no Brasil, as Olímpiadas do Rio de Janeiro. Para os cientistas, a OMS tem que tomar um papel de liderança ao combate dessa pandemia e urgente, dado a proliferação dos casos e a proximidade das Olimpíadas que começará em agosto.

Segundo Espinal, o Zika ainda é difícil de ser identificado, pois não existe uma grande oferta de testes e defendeu que, apesar das evidências, ainda são necessárias mais provas para relacionar o vírus com os casos de microcefalia. Só no Brasil, nos últimos 12 meses houveram cerca de 4 mil casos de bebês que nasceram com a condição que causa malformação no cérebro dos recém-nascidos.

Para a presidente Dilma, em uma cúpula realizada no Equador, os países da América precisam se unir para combater o vírus e disse que compartilhar as informações sobre a doença é a única maneira de combatê-la.

Uma reunião com os ministros regionais de saúde foi convocada para a próxima semana, enquanto isso as mulheres grávidas estão aconselhadas a evitar viajar para os países da América do Sul. Os EUA e outros líderes mundiais apelaram para uma ação rápida quanto ao desenvolvimento de uma vacina para o vírus, no entanto, segundo os cientistas norte-americanos ela pode levar até uma década para ficar pronta.

Diferente do Ebola, o Zika vírus precisa de um vetor para se espalhar, no caso o mosquito. A doença é uma “prima próxima” da dengue e aproximadamente 80% das pessoas que estão infectadas pelo Zika não apresentaram sintomas. Enquanto que, os outros 20% experimentaram sintomas leves como febre, manchas na pele, dor nas articulações e vermelhidão nos olhos. No entanto, a preocupação recai sobre as grávidas – por causa da microcefalia – e sobre os casos de paralisia consequentes da Síndrome de Guillain-Birré, que pode estar relacionada a uma condição do Zika vírus. (Inf. Jornal Ciência)
Postar um comentário