sc

SE VOCÊ ESTÁ VENDO ISSO, O SEU CLIENTE TAMBÉM VÊ... ANUNCIE AQUI!
iniciar        parar

15 de dezembro de 2016

Bebê de 11 meses tem dedo da mão cortado em hospital

Uma jovem de 18 anos acusa uma enfermeira do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba, de cortar o dedo mindinho do seu filho de 11 meses. O caso aconteceu nesta segunda-feira (12) e o relato foi publicado pela mãe, Jaqueciane Moraes, em sua página no Facebook, junto com uma foto da mão da criança.

"Vejam o ponto que chegou a nossa saúde, meu menino veio consultar no hospital pequeno príncipe e se internou, aí a enfermeira veio tirar o acesso do cateter do "braço", ficou com preguiça de tirar com a mão a fita q estava isolando e corto com a tesoura arrancando seu dedinho :( (sic)",l escreveu ela.

Jaqueciane disse ainda que o bebê pode ficar traumatizado. "Vou querer indenização e afastamento da enfermeira. Já me trouxeram para um quarto particular e meu filho está na sala de reconstrução, isso é saúde brasileira (sic)", continuou a mãe, questionando quem vai pagar pela dor que o menino sentiu.

A família é da cidade de São Mateus do Sul, na região sul do Paraná.

A assessoria de imprensa do Hospital Pequeno Príncipe confirmou por telefone o acidente com a enfermeira e disse que o hospital está investigando o caso. A assessoria informou ainda que a família está recebendo apoio médico e psicológico e que a funcionaria envolvida no incidente foi afastada.

Segundo o hospital, o menino passou por uma cirurgia, mas não foi possível implantar o dedo perdido.

Confira na íntegra a nota enviada pelo hospital:

“O Hospital Pequeno Príncipe há quase 100 anos se dedica com afinco a causa da saúde infantojuvenil. Referência em mais de 30 especialidades pediátricas, busca aprimoramento constante em todas as dimensões do cuidar. Conta com equipe técnica multidisciplinar focada em estudar os processos e revisar condutas de atendimento que definem a melhor prática em cada procedimento.

Lamentavelmente podem acontecer incidentes, como o ocorrido no dia 12 de dezembro de 2016. A instituição formalizou investigação e está apurando os fatos. Durante o processo o colaborador permanecerá afastado. Todas as medidas estão sendo tomadas para amparar a criança e a família. [Uma] rquipe multidisciplinar foi designada para acompanhamento integral do paciente”.
Inf. Ric +
Postar um comentário