22 de janeiro de 2017

Morta no avião que levava Teori, Maíra Panas agora é linchada nas redes.

Não nos empolguemos tanto, o Brasil atual não é um seriado eletrizante. É, no máximo, uma novela previsível. Em um país em que um presidente golpista nomeia um ministro no órgão judiciário máximo da república para julgar a operação em que foi delatado mais de quarenta vezes, é rir pra não chorar.

Pior ainda quando, diante disso tudo – e de todo o resto – as pessoas encontram tempo e disposição para se perguntarem o que estaria fazendo a massoterapeuta Maíra Panas no mesmo avião que o Ministro Teori Zavascki.

Maíra morreu. Sua mãe, que também estava a bordo, morreu. O ministro Teori Zavascki morreu, e tudo o que as pessoas querem saber, tudo o que realmente importa para elas, é por que uma mulher solteira aceitou o convite de um de seus clientes para ir a Paraty em um avião particular. Só mesmo em meio a uma novela entediante alguém pode ter tempo para indagações tão inúteis.

Resolvem agora especular que Maíra era garota de programa, e não massoterapeuta de Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, dono do Hotel Emiliano, que a convidou para um passeio. Vivemos no país em que garotas de programa levam suas mães para o batente?

Maíra Panas poderia ser massoterapeuta, treinadora de baleias, motorista de Uber ou garota de programa. Isso não nos interessa. Não nos interessaria ainda que todos os tripulantes a bordo do avião estivessem a caminho de um resort para uma suruba generalizada – isso simplesmente não é relevante.

Ou não deveria, mas em um país que se preocupa mais em condenar mulheres – mesmo quando elas já estão mortas – do que em impedir que presidentes golpistas sejam politicamente beneficiados por acidentes aéreos macabros, sim, isso é relevante.

Não é relevante saber que Maíra batia na janela do avião, tentando, em vão, salvar a própria vida. Não é relevante saber que ela tinha sonhos, etapas incompletas e vontade de viver.

O que importa, realmente, é sabermos o que a vítima fazia com o próprio corpo antes de morrer, porque nem mesmo quando estamos mortas nos deixam em paz. Não nos querem apenas mortas, nos querem humilhadas, diminuídas, desmoralizadas, esquecidas. Querem que não nos restem sequer as condolências.

Sofremos um golpe, congelaram gastos por vinte anos, um Ministro do STF morreu misteriosamente, mas temos dois minutinhos na internet pra xingar de puta essa mulher que cometeu o disparate de viajar com um homem em seu avião particular, só pra não perder o hábito.

Ajuda a relaxar.

Por Nathali Macedo

Nenhum comentário: