24 de julho de 2017

Pessoas caem no golpe da Pirâmide e fazem BO na delegacia

Mais de cem pessoas alegam ter caído em uma falsa pirâmide de investimento em Leme (SP). Inconformado com essa situação, o grupo juntou provas e vai entrar com um processo no Ministério Público. A polícia da cidade abriu inquérito para apurar o caso.

A balconista Aline Roberta Correia contou que perdeu R$ 16,5 mil. O dinheiro foi entregue a uma pessoa que dizia ser investidor da bolsa de valores, e prometia lucros. “A gente dava o dinheiro e depois de dois meses pegava o dobro com ele. Na primeira vez coloquei R$ 1 mil e depois no outro mês R$ 15 mil e não recebi nada de volta. Esse dinheiro faz muita falta”, disse.

Golpe

Ao todo, cerca de 130 pessoas caíram no golpe. Juntas entregaram cerca de R$ 3 milhões. A maioria não tem nenhum contrato assinado com o suposto estelionatário. A única prova que eles têm de que entregaram o dinheiro são comprovantes de depósitos bancários.

Algumas vítimas venderam automóveis pensando que iriam ganhar mais dinheiro dando tudo ao suposto investidor. O pintor Israel Pereira de Oliveira acreditou na proposta, vendeu a casa, deu o dinheiro e esperava receber o rendimento da quantia.

“Estava desempregado na época que apareceu esse investimento. Com quatro parcelas de um terreno atrasado resolvi vender a casa para abrir um negócio e gerar dinheiro. Porém, até hoje não recebi um centavo e agora moro de favor”, contou.

O entalhador Marcelo Pereira da Silva perdeu R$ 6 mil. Perto do prejuízo das outras pessoas, ele contou que acha até que teve sorte. “Fiquei sabendo que alguns familiares estavam fazendo e pegando dinheiro de volta no início. Por isso resolvi fazer também. Poderia ser pior, quase vendi o carro e minha esposa a moto dela”, falou.

Independentemente do valor que investiram, todos querem o dinheiro de volta. “Investi R$ 5 mil com ele, na época dobrou. Então falei que queria deixar R$ 10 mil para dobrar novamente. Eu vendi até minha moto que tinha acabado de quitar. Já tentei entrar em contato, reclamar, mas ele não atende, nem responde mensagens”, contou a maquiadora Débora Aparecida Araújo.

Outro lado

Por telefone com a equipe de reportagem da EPTV, o suspeito que não quis se identificar negou ter pego o dinheiro dos investidores. “O problema foi que cresceu demais. Mas eu nunca fui até a casa de ninguém influenciar para investir. Todos vieram me procurar porque ficaram sabendo de pessoas que tinham investido e estavam tendo lucro. Não respondo de imediato porque recebo muitas mensagens, mas tento responder o mais rápido possível”, disse. (G1)

Nenhum comentário: