PROGRAMA BOM DIA SARANDI Com Marcos Mochi, todos os sábados das 6 as 8 da manhã na 91.3 FM...

5 de julho de 2019

Um milhão de frangos com salmonela barrados na Europa retornam para ser vendidos legalmente qui no Brasil

Com leis mais rigorosas do que as nossas, o Reino Unido vetou, nos últimos dois anos, cerca de um milhão de aves congeladas exportadas pelo Brasil ao país europeu. O motivo é o fato de os alimentos, contaminados pela salmonela, estarem fora dos padrões sanitários da região. Aqui, contudo, esses frangos foram vendidos normalmente, dentro dos padrões legais.


A informação é fruto de uma investigação realizada entre abril de 2017 e novembro de 2018 pelo jornal inglês The Guardian, e pela ONG de jornalismo investigativo Repórter Brasil. Segundo apuração das instituições, enquanto que, no Brasil, uma carne contendo 18% de salmonela pode ser vendida legalmente, já que nossa regulamentação permite até 20% da substância no frango, na Europa, é tolerado apenas 3,3%.

Por isso, a reportagem mostrou que, mesmo depois de ter despontado na mídia a Operação Carne Fraca, a qual revelou uma série de problemas no controle da qualidade de carnes produzidas e vendidas pelo Brasil, os portos europeus continuam vetando o produto. De volta à nação brasileira, essa carne é então processada e acaba preenchendo as prateleiras dos supermercados normalmente.

A volta da mercadoria ao Brasil foi comprovada ao The Guardian e ao Repórter Brasil por meio de documentos internos obtidos junto à Food Standards Agency, agência britânica de padrões alimentícios. A informação ainda foi confirmada pelo Ministério da Agricultura e pela Associação Brasileira de Proteína Animal, as quais esclareceram os procedimentos por quais os frangos passam para serem vendidos em nossos supermercados.

Após retornar ao Brasil, se a quantidade de salmonela presente no frango rejeitado pelos europeus apresentar risco potencial à saúde humana, o que acontece em menos de 1% dos casos, a carne é cozida e processada para a fabricação de subprodutos, como nuggets, salsichas, linguiças e mortadelas de origem de frango. 

Mas se a bactércia presente na carne não apresentar risco à saúde, ela é vendida "in natura" nos supermercados e açougues, do jeito que chega da Europa.

Segundo a diretora do Departamento de Inspeção dos Produtos de Origem Animal (Dipoa), do Ministério da Agricultura, Ana Lucia Viana, o cozimento dessa carne que chega da Europa é suficiente para matar os micro-organismos, eliminando assim qualquer risco à saúde.

Risco potencial à saúde

Diversas associações, contudo, que conversaram com o The Guardian e o Repórter Brasil disseram que é um desrespeito aos brasileiros vender esse tipo de carne de má qualidade, que pode sim ter consequências negativas para a saúde da população, como é a opinião da nutricionista Ana Paula Borboletto, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

Além disso, o baixo número de fiscais continua sendo um grande problema no Brasil, e, por isso, não dá para saber se as recomendações sanitárias estão sendo sempre adotadas pelas granjas e frigríficos. Segundo o presidente da Associação de Fiscais Agropecuários do Paraná, por exemplo, as granjas do estado, que foi o mais afetado pelo embargo europeu aos frigoríficos do Brasil, estão "cheias de salmonela". (Via Redetv Notícia - uol)

Nenhum comentário: